Publicado em 2 comentários

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO 2021

CIRCULAR 01/2021 

VACINAÇÃO 2021

A nova realidade da Columbofilia brasileira, diante do seu crescimento nos obriga a criar estratégias preventivas contra alguns possíveis problemas que dizima quantidade de pombais.

A Doença de New Castle uma enfermidade,  causada por um vírus resistente em meio externo e de fácil disseminação.

A disseminação desta doença (New Castle)  se dá principalmente na temporada de soltas, onde são reunidos em caminhões transporte, pombos de diversos criadores e que pombos extraviados são acolhidos em pombais alheios.

Temos no mercado e a baixo custo, a Vacina para New Castle,”La Sota”, que tem se mostrado eficaz em todos os pombais que a aplicaram seguindo corretamente as recomendações do fabricante.

Esta vacina (New Castle) pode apresentar falhas por aplicação inadequada e que para diminuí-las, vacinações repetidas são necessárias.

A vacina (New Castle) que é preventiva, e deve ser aplicada em pombos sadios, tem sido frequentemente confundida com tratamento e aplicada quando a doença está em período de incubação ou já instalada, o que pode agravar os sintomas; sendo motivo de resistência de muitos columbófilos à vacinação.

A Bouba ou Varíola Aviária, provocada por um Poxvírus é endêmica em nosso país e que anualmente é disseminada pelo contato entre os pombos nos caminhões transporte, causando perdas inexplicáveis de pombos,  mortes desnecessárias, chegando a invalidar todo um pombal para a competição quando se manifesta.

Temos no mercado e a baixo custo a Vacina contra Bouba Aviária Vírus Pombo, que tem se mostrado eficaz.

A Salmonelose (Mal de Asa) é provocada pela Salmonela Typhimurium, uma bactéria disseminada por fezes, urina e secreções de pombos portadores sãos, além de ratos e outras aves, com surtos em períodos nos quais os pombos estão mais vulneráveis, principalmente na “Grande Muda”.

A PARAMIXOVIROSE é uma doença terrível provocada por um PMV-1 vírus. A referida virose tem impactos nervosos (torcicolo) e renais (poliúria) que não surgem obrigatoriamente juntos. Nos últimos anos há́ inúmeros casos nos quais a doença só se declara por um tremor discreto ou por uma ligeira diarreia cronica. Nesse caso, em especial, estamos buscando meio de realizar a importação direta pela FCB através do Laboratório Pfizer para distribuição aos associados FCB. 

A vacinação de todo plantel é o único meio para prevenir eficazmente doenças.

1. DA RECOMENDAÇÃO: A vacinação decorre obrigatoriamente de diretivas emanadas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA e recomendada pela Federação Columbófila Brasileira. 

2. PROTEÇÃO EFETIVA DOS PLANTÉIS: Vacinar é a única forma segura de proteger os pombos voadores e reprodutores que constituem a reserva genética das colônias.

A) UTILIZE UNICAMENTE VACINAS HOMOLOGADAS PELA ANVISA: Segundo informação da ANVISA, está homologada a seguinte vacina:

  • Newcastle – “La Sota” 

– A vacinação contra a Newcastle deve se iniciar o anilhamento dos filhotes no ninho.

– Cada filhote a ser anilhado já deve receber a 1° dose da vacina contra a Newcastle.

– Deve dar uma gota no bico de cada filhote.

– A 2° dose da vacina deve ser com 21 dias de vida dos filhotes.

Nesta fase deve ser dada 2 gotas no bico de cada filhote.

A 3° dose deve ser dada com 35 dias após o desmame e separado dos pais.

  • Existe essa necessidade das 3 doses devido a falha vacinal que possa ocorrer, pois como sabemos a New-Vacin (Lá Sota)  fabricada no Brasil é específica pra frangos.

Como diluir a vacina: Um frasco de 100 doses deve ser diluído em 4 ml de água destilada (comprar em farmácias). Usar um conta gotas para pingar dentro do bico dos pombos.

  • IMPORTANTE: Desde o momento da compra da vacina até sua diluição e durante a vacinação deve ser sempre conservada no gelo.
  • Recomendamos fazer o tratamento de todas as colônias com o antibiótico Enrofloxacina a 10% logo após o término da temporada de soltas, com o  objetivo de tentar diminuir a manifestação desta doença bacteriana.

A UTILIZAÇÃO DESTAS VACINAS RESULTA DE UM IMPERATIVO LEGAL!

A EVENTUAL UTILIZAÇÃO DE OUTRAS VACINAS É UM ATO QUE CONTRARIA AS DISPOSIÇÕES LEGAIS EM VIGOR. 

B) UTILIZE VACINAS BEM CONSERVADAS: Deve assegurar-se de que a cadeia de frio nunca seja interrompida.

C) VACINE APENAS POMBOS SAUDÁVEIS: Antes de vacinar, submeta os pombos a um rasteio sanitário ou então faça, de modo empírico, alguns tratamentos básicos contra eventuais parasitoses e contra eventuais infecções bacterianas.

D) VITAMINAS:  Estimule as aves a desenvolverem uma boa e rápida imunidade, vitaminando-as alguns dias antes e após a vacinação.

COMO VACINAR:

1. No momento da utilização, a vacina deve estar à temperatura ambiente;

2. Injectar de maneira subcutânea na parte posterior do pescoço, apontando a agulha na direção caudal, conforme esquema da figura:

Uma imagem contendo traçado, crustáceo, animal

Descrição gerada automaticamente

3. Não desinfectar a pele do pombo;

4. Utilizar agulhas descartáveis mudando frequentemente de agulha;

5. Não usar agulhas demasiadamente grossas nem demasiadamente finas.

CONTROLE DA VACINAÇÃO:

1. A vacinação confere uma imunização estável após 2 a 3 semanas.

A duração da imunidade é de 12 meses.

2. Para a época desportiva de 2021 só serão aceitos como comprovativos da vacinação:

– A fatura/recibo de aquisição emitida em nome do columbófilo, discriminando a marca da vacina, número de doses e validade ou,

– A declaração do médico veterinário junto com uma lista dos pombos vacinados, devidamente carimbada e assinada.

3. No caso em que dois columbófilos da mesma sociedade se associam na compra da vacina a fatura deve ser emitida em nome de um deles, devendo juntar a respectiva fatura às listas de vacinação dos columbófilos envolvidos, previamente ao envio dos comprovativos à FCB.

4. No caso em que seja exigida aos columbófilos prescrição médica-veterinária para a aquisição da vacina o veterinário oficial da FCB estará disponível para emitir as respetivas prescrições.

5. Sempre que se justifique um contato direto com o veterinário oficial da FCB poderão utilizar o seguinte endereço de e-mail: contato@fcb.org.br.  

LISTAS DE VACINAÇÃO: As listas de vacinação serão divulgadas no site da FCB aberta ao público em geral e aos Órgãos de Fiscalização.  

COMO OBTER AS LISTAS DE VACINAÇÃO? No site da FCB o Clube e/ou Associação poderá obter a lista de vacinação de cada sócio através do endereço www.fcb.org.br -> VACINAS

O QUE CONSTA NA LISTA DE VACINAÇÃO? Na lista deverá constar a identificação do associado (nome e CPF), a vacina utilizada, o lote e os pombos recenseados e vacinados para a campanha desportiva 2021.

QUANDO DEVE SER RETIRADA A LISTAGEM DEFINITIVA DE VACINAÇÃO? A lista definitiva de vacinação deve ser impressa após a disponibilização do recenseamento no site da FCB. 

FISCALIZAÇÃO POR ÓRGÃOS COMPETENTES E FCB:  O certificado de Pombal será emitido pela FCB após a conferência da listagem de vacinação e de forma individualizada para cada sócio. Não será mais emitido Certificados de Pombal aleatório sem antes efetuar a conferência dos documentos obrigatórios exigidos. 

Tabela

Descrição gerada automaticamente

São José do Rio Preto/SP, 11 de Janeiro de 2021.

Departamento Técnico FCB

2 comentários sobre “CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO 2021

  1. Excelente, presidente de cada clube ou pessoa indicada por ele se encarregará de transmitir a cada sócio ou em seu grupo para que tomem conhecimento dessa obrigatoriedade da (s) vacina(s).

    1. Olá Gilberto, obrigado pela visita e feedback.

      Conte sempre com a gente!

      Equipe FCB

Deixe uma resposta para Assessoria de Comunicação Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *